Como dimensionar uma equipe de trabalho

25 04 2011

por Estevão Taiar

Basta abrir qualquer livro de microeconomia para descobrir o conceito de produtividade marginal do trabalho: a partir de certo ponto, a adição de insumos à produção aumenta a quantidade geral produzida, mas diminui o rendimento. A teoria é simples: nem sempre trabalhar com grandes quantidades de materiais, instrumentos ou pessoas é garantia de eficácia e rapidez. Na prática, entretanto, a maneira correta de mensurar e usar todos esses recursos é bastante complicada.

Não é à toa que esse é um dos grandes problemas que as mais variadas empresas enfrentam na hora de escolher funcionários para executar um projeto. Qual deve ser o número certo de profissionais? A equipe deveria ser maior ou menor? Qual deve ser o perfil de cada um?

Para Leylah Macluf, gerente de consultoria empresarial da Deloitte, não há uma maneira simples de definir o tamanho ideal de uma equipe em um primeiro momento. “A quantidade de pessoas que a gente vai deslocar para trabalhar em um projeto depende de algumas informações, tais como o tempo que um projeto semelhante demorou em outra empresa e as características do cliente – se ele é do setor público, da indústria etc”, diz.

Ela afirma que a partir de um segundo momento, quando o cliente já aprovou o projeto apresentado pela consultoria, fica mais fácil montar a equipe: “A gente entra na fase de planejamento, monta um cronograma, e isso torna o processo um pouco menos complicado”.

Equipes enxutas

Elcio Ferreira, sócio-diretor da Visie, empresa de desenvolvimento de softwares e serviços para web, é partidário de equipes enxutas e acha que administrar muitas pessoas ao mesmo tempo, além de não ser tarefa fácil, não é eficiente. “Tem um ditado antigo na área que diz que “duas mulheres não geram um bebê em quatro meses e meio”, diz.

Segundo ele, a capacidade de dimensionar uma equipe de maneira correta advém do conhecimento prévio da área e da experiência de se organizar equipes para projetos em outras ocasiões. “No caso específico da criação de softwares, a equipe ideal tem entre oito e dez pessoas e, mesmo em condições muito especiais, não deve passar de doze”, afirma. Um conselho do gestor é dividir o projeto em dois quando ele demandar o envolvimento de mais pessoas. Dessa forma, ao invés de uma equipe “inchada”, a empresa contará com dois núcleos de trabalho bem dimensionados.

Mais do que gerar custos extras, uma equipe numerosa pode dificultar a execução das tarefas. Leylah conta um caso em que o excesso de colaboradores acabou criando confusão: “Montamos uma equipe de três pessoas. O cliente resolveu expandir o projeto e pediu que envolvêssemos mais colaboradores, pois queria uma maior capacitação de seus profissionais em algumas áreas da empresa. Acabamos aumentando para dez e, ao final, era tanta gente que o andamento das atividades ficou comprometido”. Ela pondera, porém, que hoje em dia, com a crise de recursos humanos no mercado, dificilmente as empresas trabalham com uma equipe superdimensionada.

Fonte: http://www.canalrh.com.br/Mundos/saibacomo_artigo.asp?ace_news={623958F5-BD99-489A-9C3F-CFD98C590555}&o={91440127-1C1A-4B18-85BB-94CFB3A1ED8D}&sp=-?.N0xW1B?JKD5.RQpOVF1BT:09VWy7NC.1


Ações

Information

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: